sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Vale a pena

A mensagem principal que retirei de um dos últimos livros que li foi que a escrita de livros não tem outra recompensa que não a alegria e o prazer de o escrever. Outros incentivos ligados à retirada de dividendos ou ao reconhecimento social não passam de quimeras, podem surgir, mas a muito longo prazo. O livro a que me refiro chama-se "Cartas a um jovem romancista" de Llosa, que me foi sugerido por uma das pessoas que se tornou seguidora deste blogue.
Portanto, obrigada Cláudia.

Assim, parece ter-se dado um processo de libertação, muito difícil de explicar, mas que se pode resumir numa ação, que espero se venha a exprimir muitas e muitas vezes: escrever, escrever, escrever.
O querer escrever de forma inédita tem-me, reconheço-o agora, impedido de escrever livremente. O medo de errar e a ideia do perfecionismo têm-me emperrado os dedos e a mente. Por isso, mesmo que não seja bonito, ou inovador, aqui vai disto. Fica a intenção, a vontade, a necessidade de viver um sonho antigo e de o tornar realidade.
Sim, sonho publicar um livro. E admiro muito as pessoas que realizam os seus sonhos! E quero admirar-me, ha ha ha!

Seguidores